regime de sobreaviso remuneradoAs horas de sobreaviso consistem na possibilidade de o empregado permanecer em sua residência ou outro local combinado aguardando ordens da empresa.

Nesse caso, receberá apenas 1/3 da hora normal e poderá ficar nesse regime por, no máximo, 24 horas.

De acordo com o TST, no item I a Súmula nº 428, a utilização de instrumentos telemáticos ou informatizados (telefone celular, pager, rádio, laptop, bip, tablet etc.), por si só, não configura as horas de sobreaviso.

Nesse caso, o empregado tem ampla possibilidade de deslocamento.

Entretanto, o empregado poderá comprovar que a utilização desses aparelhos limitou a possibilidade de lazer (assumir outros compromissos) e de descanso, tendo direito ao pagamento.

A súmula traz, inclusive, três exemplos de limitação do tempo do trabalhador que configuram regime de sobreaviso:

• Permanecer em regime de plantão ou equivalente;
• Possibilidade de ser chamado para o serviço durante o período de descanso;
• Submetido a controle patronal por instrumentos telemáticos ou informatizados.

Caracterização de regime de sobreaviso

Neste sentido, destaca-se o entendimento do Tribunal Superior do Trabalho:

Regime de Sobreaviso

REGIME DE SOBREAVISO. USO DE CELULAR. PERMANÊNCIA EM CASA. DESNECESSIDADE Discute-se se a empregada que aguarda o chamado do empregador mediante o uso de telefone celular, mas que não permanece em sua residência, tem direito ao adicional de sobreaviso. A matéria está pacificada no âmbito desta Corte, com a edição da nova Súmula nº 428 do TST (resultado da conversão da Orientação Jurisprudencial nº 49 da SBDI-1), alterada, posteriormente, por ocasião da “Semana do TST”, que resultou em nova redação que lhe foi conferida pela Resolução nº 185/2012 desta Corte, publicada no Diário de Justiça Eletrônico divulgado, nos dias 25, 26 e 27 de setembro de 2012, com o seguinte teor, in verbis: “SOBREAVISO. APLICAÇÃO ANALÓGICA DO ART. 244, PARÁGRAFO 2º, DA CLT. I – O uso de instrumentos telemáticos ou informatizados fornecidos pela empresa ao empregado, por si só, não caracteriza o regime de sobreaviso. II – Considera-se de sobreaviso o empregado que, à distância e submetido a controle patronal por instrumentos telemáticos ou informatizados, permanecer em regime de plantão ou equivalente, aguardando a qualquer momento o chamado para o serviço durante o período de descanso”. Da referida súmula, verifica-se que o mero uso de aparelho celular, somente considerado esse aspecto fático, não configura o regime de sobreaviso, pelo mesmo motivo de o empregado não permanecer em sua casa aguardando o chamado para o serviço, podendo, pois, deslocar-se livremente ou até dedicar-se a outra atividade em seu período de descanso. Deve haver a comprovação de que o empregado, de fato, estava à disposição do empregador. Na hipótese, o Regional chegou à conclusão de que “a autora, durante todo o período de safra, laborava em regime de sobreaviso”, porquanto as provas produzidas nos autos confirmaram que “tanto a autora como os demais plantonistas tinham a sua liberdade de locomoção limitada, uma vez que, ao serem escalados para o plantão, não poderiam se ausentar da cidade de São Miguel dos Campos, permanecendo todo o tempo à disposição da empresa”. A Corte a quo consignou, ainda, que os depoimentos colhidos corroboraram a tese que “a reclamante ficava de plantão e era acionada pelo celular, quando necessário”. Caracterizada ficou, portanto, a restrição de locomoção da trabalhadora, porquanto poderia ser chamada para prestar serviço a qualquer momento. Ante o exposto, verifica-se que a decisão em que se deferiu o adicional de sobreaviso à reclamante está de acordo com o disposto na Súmula nº 428, item II, do TST . Recurso de revista não conhecido .TST – RECURSO DE REVISTA : RR 13575320125190062 – Publicação em DEJT 31/03/2015”. (via JusBrasil)

Dessa forma, se ficar comprovado que o empregado não apenas utiliza o aparelho celular, mas fica constatado que ele permanecia efetivamente à disposição do empregador fora do horário normal de trabalho, em escala de atendimento, caracteriza o regime de aviso prévio.

Em casos de dúvidas sobre o seu caso, busque o auxílio de um advogado trabalhista.

Conteúdo produzido por Claudia Guimarães

Posts relacionados

Entenda como funciona a reclamação trabalhista
Muitas pessoas buscam saber como funciona a reclamação trabalhista de olho em uma possível reparação após se sentirem lesadas, de alguma forma, por uma empresa com quem possuíam vínculo empregatício. Dentro da extensa área de direito trabal…

Direito trabalhista: Assessoria Jurídica Trabalhista em tempos de crise
Estar atento a todos os detalhes do direito trabalhista é um cuidado que deve estar sempre entre as prioridades de todas as empresas, de modo a evitar futuras dores de cabeça com passivos trabalhistas e outras dúvidas relacionadas às obrigações…

Verbas Rescisórias na Pandemia (COVID-19)
Diante do atual cenário nunca vivenciado pelos brasileiros, com a pandemia e, consequentemente, o estado de calamidade pública decretado pelo Governo Federal, muitos trabalhadores têm dúvidas quanto às verbas a serem pagas pelas empresas em cas…