Não é incomum que profissionais sejam contratados sob uma falsa impressão de autonomia. Nesses casos eles não possuem a independência prevista para o cargo e, em contrapartida, perdem seu  direito trabalhista, como: horas extras e 13º salário. Isso ocorre com autônomos e também no caso dos representantes comerciais, por exemplo.Saiba como funciona o direito trabalhista para representante comercial | GR Advogados

As irregularidades fazem com que, muitas vezes, esses profissionais não recebem o pagamento correto e deixem de usufruir de benefícios como férias, 13º salário, depósito de FGTS, etc.

Nessas circunstâncias a contratação de um advogado especializado em representação comercial pode ser necessária para descaracterizar a suposta autonomia e pleitear o vínculo empregatício.

O que a Justiça do Trabalho considera é se, durante a prestação do serviço, houve ou não a relação de emprego entre as partes.

Caso haja na relação as normas do artigo 3º da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) que corresponde à subordinação, onerosidade, pessoalidade e não eventualidade, há relação de emprego.

Direito trabalhista: Prerrogativas dos representantes comerciais

Diferente do vendedor externo, o representante comercial é o profissional que faz um vínculo entre a empresa e o mercado.

Para tal, ele tem autonomia para determinados fatores e essa independência é fundamental para que não haja a caracterização do vínculo empregatício.

Entre as prerrogativas para o exercício da função de representante comercial estão:

  • Uma das principais características da representação comercial consiste na liberdade total sobre o gerenciamento do tempo trabalhado. Sendo o profissional que irá determinar a jornada de trabalho, sem interferência da empresa;
  • Qualquer imposição da empresa quanto ao horário de trabalho do representante comercial poderá caracterizar vínculo empregatício, fazendo com que ele tenha direito aos benefícios de um funcionário contratado;
  • O profissional possui autonomia para definir a rotina de trabalho, como horário, frequência, ordem e quantidade de visitas. A empresa pode apenas cobrar os resultados efetivos e não a forma como o representante comercial irá obtê-los;
  • O representante comercial assume os riscos relacionados ao alcance dos resultados e, se não efetuar nenhuma venda, não terá direito a nenhum pagamento.

Direitos no caso de vínculo empregatício

Quando exercida a função de representante comercial como previsto em lei, não ocorre o vínculo empregatício, no entanto, caso haja alguma imposição da empresa, essa condição pode ser revertida judicialmente.

Neste caso, o advogado trabalhista deve ser consultado para avaliar o caso.

Entre os direitos trabalhistas que podem ser pleiteados pelo advogado no caso de uma reclamação trabalhista deste tipo estão:

  • Férias;
  • 13º salário;
  • Horas extras dos últimos cinco anos;
  • Fundo de Garantia de todo o período.

Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com nossa equipe.

Posts relacionados

Entenda como funciona a reclamação trabalhista
Muitas pessoas buscam saber como funciona a reclamação trabalhista de olho em uma possível reparação após se sentirem lesadas, de alguma forma, por uma empresa com quem possuíam vínculo empregatício. Dentro da extensa área de direito trabal…

Direito trabalhista: Assessoria Jurídica Trabalhista em tempos de crise
Estar atento a todos os detalhes do direito trabalhista é um cuidado que deve estar sempre entre as prioridades de todas as empresas, de modo a evitar futuras dores de cabeça com passivos trabalhistas e outras dúvidas relacionadas às obrigações…

Verbas Rescisórias na Pandemia (COVID-19)
Diante do atual cenário nunca vivenciado pelos brasileiros, com a pandemia e, consequentemente, o estado de calamidade pública decretado pelo Governo Federal, muitos trabalhadores têm dúvidas quanto às verbas a serem pagas pelas empresas em cas…