Situações em que um funcionário não pode ser demitido

Com o objetivo de evitar abusos por parte de empresas e assegurar uma estabilidade financeira e profissional, existem diversas situações previstas em lei nas quais o funcionário não pode ser demitido pelo empregador.

Conhecer em quais situações o funcionário não pode ser demitido é importante tanto para os profissionais, que podem recorrer caso seus direitos sejam violados, como também às empresas, que evitam multas e indenizações devido às demissões indevidas.

A seguir conheça as principais situações nas quais o funcionário não pode ser mandado embora e a empresa deve preservar o direito dele ao período de estabilidade.

5 situações nas quais o funcionário não pode ser demitido

Em geral, as situações que garantem estabilidade e um período no qual o funcionário não pode ser demitido devem-se a momentos de maior vulnerabilidade do trabalhador que poderiam motivar uma demissão. Conheça a seguir.

1. Acidente de trabalho ou doença ocupacional

O caso mais comum no qual o funcionário não pode ser demitido deve-se ao estado de saúde dele. Caso ocorra um acidente de trabalho ou o profissional desenvolva uma doença ocupacional – em decorrência da atividade exercida – ele tem direito à estabilidade.

Nesses casos, a legislação prevê que a estabilidade deve ser de 12 meses após o fim do auxílio-doença para casos nos quais a licença foi superior a 15 dias e o empregado, obrigatoriamente, teve que acionar o INSS.

Destaca-se que, no período de permanência na empresa após o ocorrido, caso não consiga desenvolver a atividade inicialmente prevista, o empregador deverá realocar o profissional sem prejuízo salarial.

2. Gravidez ou aborto involuntário

Com objetivo de proteger a infância e a maternidade, a lei prevê que as mulheres têm estabilidade desde a confirmação da gravidez até 5 meses após o parto. Esse direito não é estendido às mulheres em período de experiência.

Caso, sem conhecimento da gravidez, a empresa demita a funcionária, deverá reintegrá-la ao quadro ou pagar todos os vencimentos relativos até o fim do período de estabilidade.

Destaca-se que mulheres que sofrem aborto involuntário não têm direito à estabilidade. No entanto, mediante atestado médico, têm direito a duas semanas de repouso remunerado.

3. Estabilidade pré-dissídio

De acordo com as diretrizes da categoria, o funcionário não pode ser demitido nos 30 dias que antecedem a data base da convenção coletiva.

Segundo a legislação, caso a demissão ocorra nesse prazo, sem justa causa, o empregador deverá pagar uma indenização de um salário mensal ao empregado dispensado indevidamente.

4. Funcionários em pré-aposentadoria

Outra estabilidade que varia de acordo com a categoria é a pré-aposentadoria. Nesses casos, o funcionário não pode ser demitido em um período que pode variar de 12 a 24 meses que antecedem o período, de acordo com as convenções coletivas.

Esse é o caso da convenção coletiva dos bancários, que assegura estabilidade que varia de 12 a 24 meses de acordo com o tempo do vínculo empregatício.

5. Dirigentes sindicais e integrantes da Cipa

Com o objetivo de preservar a independência sindical, o empregador não poderá demitir o funcionário que for representante dos trabalhadores no sindicato ou seus suplentes.  Essa estabilidade é válida desde a candidatura ao cargo até um ano após o término do mandato do profissional.

O mesmo período de estabilidade é destinado aos integrantes da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). O órgão é obrigatório e os representantes devem ser eleitos pela empresa e demais funcionários.

Quando contratar um advogado?

A contratação do advogado trabalhista deverá ocorrer sempre que o funcionário acreditar que seu direito ao período de estabilidade foi lesado.

Por exemplo, se o profissional for mandado embora em qualquer das situações apresentadas anteriormente — que são aquelas nas quais o funcionário não pode ser demitido —, ele poderá recorrer ao advogado para reivindicar os direitos violados.

Destaca-se que, caso a estabilidade seja descumprida, o advogado especializado poderá atuar no sentido de reintegrar o funcionário demitido ao quadro de profissionais da empresa ou pleitear a compensação financeira.

Nesses casos, será devido ao profissional a soma de todos os valores que a empresa deveria pagar até o fim do período de estabilidade, incluindo salários e direitos trabalhistas. Além disso, o advogado poderá avaliar se cabe uma indenização por danos morais.

Portanto, se o funcionário não pode ser demitido e a empresa o faz mesmo assim, é fundamental procurar um escritório de advocacia especializado em direito trabalhista para acionar a justiça do trabalho e retomar os direitos lesados.

Posts relacionados

Entenda como funciona a reclamação trabalhista
Muitas pessoas buscam saber como funciona a reclamação trabalhista de olho em uma possível reparação após se sentirem lesadas, de alguma forma, por uma empresa com quem possuíam vínculo empregatício. Dentro da extensa área de direito trabal…

Direito trabalhista: Assessoria Jurídica Trabalhista em tempos de crise
Estar atento a todos os detalhes do direito trabalhista é um cuidado que deve estar sempre entre as prioridades de todas as empresas, de modo a evitar futuras dores de cabeça com passivos trabalhistas e outras dúvidas relacionadas às obrigações…

Verbas Rescisórias na Pandemia (COVID-19)
Diante do atual cenário nunca vivenciado pelos brasileiros, com a pandemia e, consequentemente, o estado de calamidade pública decretado pelo Governo Federal, muitos trabalhadores têm dúvidas quanto às verbas a serem pagas pelas empresas em cas…