aviso prévioQuando qualquer uma das partes quiser por fim à relação de emprego, sem justa causa, deverá observar o prazo do aviso prévio, que nada mais é do que uma notificação prévia à outra parte do interesse em extinguir o contrato de trabalho, evitando, assim, uma surpresa com a ruptura do contrato de trabalho.

O aviso prévio é um direito e uma obrigação tanto do empregado, quanto do empregador.

Assim, a empresa, ao conceder o aviso prévio, permite ao empregado buscar desde logo uma recolocação no mercado de trabalho.

De igual modo, o empregado, ao comunicar o empregador sua intenção de por fim à relação de trabalho, permite-lhe iniciar os procedimento em busca de outro profissional para ocupar o lugar daquele que deixará a empresa.

Existem, para ambas as partes, duas maneiras de conceder o aviso prévio: trabalhando o período que a lei estabelece, ou indenizando a outra parte.

Aviso prévio trabalhado

O aviso prévio trabalhado, quando concedido pelo empregado, obriga o trabalhador a continuar o trabalho durante um determinado período de tempo, sem redução da jornada de trabalho.

Se concedido pelo empregador, este deverá dar ao empregado a opção de escolha entre:

a) reduzir, durante o período de cumprimento do aviso, a jornada de trabalho em 2 horas diárias; ou b) cumprir a jornada de trabalho habitual, sendo dispensado do trabalho nos últimos sete dias do aviso.

É importante esclarecer, ainda, que tanto a redução da jornada de trabalho, quanto a falta durante os 7 dias finais do aviso prévio não poderão acarretar diminuição do salário pago ao trabalhador.

Com relação à duração do aviso prévio, em ambos os casos, este variará de acordo com o tempo de duração do contrato de trabalho.

A duração mínima é de 30 dias, sendo acrescido três dias a cada ano trabalhado, podendo chegar até, no máximo, 90 dias.

Na redução da jornada de trabalho em duas horas diárias, esta se aplica durante todo o aviso prévio, independentemente da duração deste.

Entretanto, se a opção for cumprir integralmente a jornada de trabalho, faltando nos últimos 7 dias, não haverá proporcionalidade, mesmo que o período de aviso seja de 90 dias.

A data da baixa na CTPS do trabalhador será a do último dia do aviso prévio. Nesse caso, não importa que o funcionário escolha faltar os últimos 7 dias.

O empregador deverá considerar essa falta como dias trabalhados, e fazer a anotação correta na CTPS.

O empregado poderá, ainda, requerer a dispensa do cumprimento do aviso prévio, se conseguir um novo trabalho durante o período de cumprimento.

Nesse caso, a baixa da CTPS será feita no último dia efetivamente trabalhado, sem que isso gere qualquer direito a indenização por parte do empregador.

O período do aviso prévio servirá sempre para cálculo de férias, 13º salário, FGTS, reajustes salariais, indenizações, e todas as demais verbas de direito do trabalhador.

Para finalizar, é importante esclarecer que, durante a concessão do aviso prévio, seja com jornada reduzida, seja com a opção do afastamento nos últimos 7 dias, o trabalhador não pode realizar horas extras, sob pena de ser o aviso prévio considerado nulo e o empregador ser obrigado a conceder novo aviso prévio, ou indenizar o trabalhador.

Também será nulo o aviso prévio concedido sem a redução da jornada, ou afastamento nos últimos 7 dias.

Aviso prévio indenizado

Segundo advogado trabalhista, o aviso prévio indenizado acontecerá sempre que a parte não comunicar à outra sua intenção de rescindir o contrato, nos prazos acima explicados.

Para o empregador, dispensar o funcionário sem dar-lhe o respectivo período, conforme determinação legal, gerará ao empregado o direito de receber a indenização no valor equivalente ao período que teria trabalhado, tendo como base de cálculo o último salário recebido.

Dessa maneira, se o prazo do aviso prévio seria de 36 dias, o empregado terá direito a uma indenização equivalente a 36 dias trabalhados, e assim por diante.

Também nesse caso, se o empregador indenizar o empregado pelo não cumprimento do aviso prévio, deverá considerar esse período para cálculo de férias, 13º salário, FGTS, reajustes salariais, indenizações, e todas as demais verbas de direito do trabalhador.

Se o empregado pedir demissão sem cumprir o aviso prévio, o empregador descontará, no pagamento das verbas rescisórias, o valor de um salário pela indenização do aviso prévio.

Posts relacionados

Entenda como funciona a reclamação trabalhista
Muitas pessoas buscam saber como funciona a reclamação trabalhista de olho em uma possível reparação após se sentirem lesadas, de alguma forma, por uma empresa com quem possuíam vínculo empregatício. Dentro da extensa área de direito trabal…

Direito trabalhista: Assessoria Jurídica Trabalhista em tempos de crise
Estar atento a todos os detalhes do direito trabalhista é um cuidado que deve estar sempre entre as prioridades de todas as empresas, de modo a evitar futuras dores de cabeça com passivos trabalhistas e outras dúvidas relacionadas às obrigações…

Verbas Rescisórias na Pandemia (COVID-19)
Diante do atual cenário nunca vivenciado pelos brasileiros, com a pandemia e, consequentemente, o estado de calamidade pública decretado pelo Governo Federal, muitos trabalhadores têm dúvidas quanto às verbas a serem pagas pelas empresas em cas…