Saiba mais sobre as diferenças entre vendedor externo e representante comercial | GRR AdvogadosÉ comum hoje em dia que existam dúvidas quanto à natureza do trabalho que se presta a determinada empresa, no que diz respeito à nomenclatura a ser utilizada quando se fala de vendedor externo e representante comercial.

A confusão é gerada por, aparentemente, ambos os profissionais desempenharem funções semelhantes, no entanto a mudança vai muito além da denominação e da organização do trabalho.

Para entender melhor quais são as diferenças entre ambos profissionais, vamos entender melhor o que cada um deles faz.

Representante comercial

O representante comercial será efetivamente o intermediador entre o mercado e a empresa e deve, obrigatoriamente, ser registrado no Conselho Estadual de Representantes – CORE.

Uma das principais diferenças entre este profissional e o vendedor externo é a autonomia de trabalho, com mais liberdade para o representante comercial, pois são eles quem decide os pontos fundamentais do trabalho, como jornada de trabalho. A empresa contratante não tem poder de interferir neste tipo de decisão.

Sendo assim, será o representante que irá definir como usar o tempo disponível. Caso a empresa contratante faça imposições de horário poderá haver a caracterização do vínculo empregatício.

O representante comercial tem total autonomia para definir a rotina de seu dia a dia, especialmente no que diz respeito à quantidade, frequência e ordem das visitas, podendo sempre optar de acordo com seus interesses e conveniências os pontos a serem visitados.

A empresa contratante tem o direito de cobrar resultados, mas é o representante que define a rotina de trabalho para atingir suas metas.

Como consequência dessa autonomia, é o representante comercial quem assume os riscos de toda a sua atividade. Caso não efetue nenhuma venda no período estipulado com a empresa, não terá direito a receber nenhum valor como pagamento.

Vendedor Externo

Já o profissional que atua como vendedor externo tem algumas características diferentes. Ele deve ter o contrato de trabalho anotado na CTPS, com o reconhecimento do vínculo empregatício gerado pela contratação. Ele trabalha como um subordinado, tendo que obedecer as exigências de seus superiores dentro da empresa.

O vendedor externo recebe um salário fixo, independentemente dos resultados produzidos. O que ode variar mensalmente é o valor gerado pela comissão das vendas, mas sempre obedecendo o mínimo garantido pela convenção da categoria.

Outra característica dessa profissional é que ele não pode fazer com que um substituto realize as atividades decorrentes de sua função em seu lugar.

Vamos relembrar as diferenças entre as duas profissões:

Vendedor externo x representante comercial | GRR Advogados

Vínculo empregatício

Como vimos, a principal diferença entre um representante comercial e o vendedor externo está no vínculo empregatício com a empresa, que não existe no primeiro caso e é obrigado no segundo.

Segundo os requisitos gerais, a CLT determina que vínculo empregatício é caracterizado quando:

  • Pessoalidade: somente a pessoa contratada é quem pode prestar o serviço à empresa, não podendo ser substituída no caso de eventual ausência na empresa. A prestação do serviço é feita de forma direta pelo contratado;
  • Continuidade: este requisito diz respeito à frequência do trabalho. Atualmente, nossos Tribunais vêm aceitando teses no sentido de que 2 ou 3 vezes por semana bastam para a caracterização da continuidade;
  • Onerosidade: é a contraprestação recebida pelo funcionário pelos serviços que presta ao empregador. Grosso modo, é o recebimento de salário mensal;
  • Subordinação: quem dita as regras e diretrizes da execução do serviço é o empregador, sendo que cabe ao funcionário acatá-las e cumpri-las, visto estar em posição hierárquica inferior à do empregador.

Reclamação trabalhista

Embora algumas empresas tentem mascarar a prestação de serviços de um vendedor externo, nomeando-o como representante comercial.

Caso isso se torne uma reclamação trabalhista na Justiça, a discussão judicial irá levar em conta a realidade, pouco importando as nomenclaturas adotadas, informa o advogado trabalhista.

Por fim, se for comprovado a ocorrência da prestação de serviços de vendedor externo sob o nome de representante comercial, poderá ser requerido, judicialmente, o reconhecimento do vínculo empregatício.

Dessa forma, o reclamante terá direitos trabalhistas como pagamento de todas as verbas inerentes ao contrato de trabalho, tais como férias, 13º salário, seguro-desemprego, FGTS e multa de 40%, horas extras e reflexos, etc.

Posts relacionados

Entenda como funciona a reclamação trabalhista
Muitas pessoas buscam saber como funciona a reclamação trabalhista de olho em uma possível reparação após se sentirem lesadas, de alguma forma, por uma empresa com quem possuíam vínculo empregatício. Dentro da extensa área de direito trabal…

Direito trabalhista: Assessoria Jurídica Trabalhista em tempos de crise
Estar atento a todos os detalhes do direito trabalhista é um cuidado que deve estar sempre entre as prioridades de todas as empresas, de modo a evitar futuras dores de cabeça com passivos trabalhistas e outras dúvidas relacionadas às obrigações…

Verbas Rescisórias na Pandemia (COVID-19)
Diante do atual cenário nunca vivenciado pelos brasileiros, com a pandemia e, consequentemente, o estado de calamidade pública decretado pelo Governo Federal, muitos trabalhadores têm dúvidas quanto às verbas a serem pagas pelas empresas em cas…