Grande preocupação entre os bancários diz respeito aos impactos da reforma trabalhista nos contratos vigentes.

Há que se ressaltar que o pleito inerente a sétima e oitava horas extraordinárias, nos casos de inexistência de cargo de confiança, não foi revogado pela reforma.

Com isso, caso o empregado da instituição financeira não exerça cargo de confiança, e aqui se diz que não basta a mera nomenclatura de gerente e sim as efetivas atribuições dentro da instituição financeira, sem qualquer autonomia e fidúcia, poderá pleitear a sétima e oitava horas extraordinárias e respectivo enquadramento no caput do artigo 224 da CLT, que trata do bancário comum e sujeito a jornada de seis horas.

Assim, destaca-se a importância da consulta pelo empregado em instituição financeira ao advogado especializado em direitos trabalhistas dos bancários, para que sejam dirimidas eventuais dúvidas.

Posts relacionados

Analista de Sistemas e a Confiança Bancária
O analista de sistema quando inserido na condição de empregado bancário dentro de uma instituição financeira está submetido a jornada de oito horas. Corriqueiro é o questionamento entre os analistas de sistemas quanto ao direito a sétima e o…

Analista de Departamento Bancário – Cargo de Confiança?
Grande controvérsia reside entre os bancários quanto à existência de cargo de confiança e, por conseguinte, as sétima e oitava horas como extraordinárias, dentre os chamados “analistas” de departamento bancário, em todos os seus graus de …

Fim das 7ª e 8ª horas extras?
Entenda como ficarão as 7ª e 8ª horas extraordinárias com o advento da Convenção Coletiva de 2018 dos Sindicatos dos Bancários A Convenção Coletiva de Trabalho do Sindicato dos Bancários, aproveitando a toada da Reforma Trabalhista, trouxe …