Com o advento da Lei 13.467/2017 (reforma trabalhista), nova forma de rescisão do contrato de trabalho foi prevista, a chamada rescisão por mútuo acordo.

Na verdade, o legislador apenas oficializou o que já era praticado, com a diferença que estipulou regras quanto ao levantamento e multa do fundo de garantia por tempo de serviço e aviso prévio.

Portanto, o contrato de trabalho poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, sendo devida as seguintes verbas: saldo de salário; férias integrais acrescidas do terço constitucional, se houver; férias proporcionais acrescidas do terço constitucional; décimo terceiro salário proporcional ou integral; metade do aviso prévio e da multa do FGTS, e guias para levantamento de 80% (oitenta por cento) dos valores depositados.

Por fim, não é permitido o ingresso no Programa de Seguro-Desemprego.

Posts relacionados

Advogado Especialista em Assessoria Jurídica
A complexidade legal para abertura e operação de empresas no Brasil demanda que os negócios, independentemente do porte e segmento, precisem do auxílio de um advogado especialista em assessoria jurídica para mitigar problemas com a observância …

Direito para startup: Como funciona?
Com a expansão desse modelo de negócio, os empreendedores precisam pensar desde o primeiro momento no direito para startup, garantindo que a empresa emergente esteja em conformidade com as questões legais exigidas. Ainda que tenha característi…

Quando contratar uma consultoria jurídica?
Apesar da expectativa do empresariado para 2020 estar mais positiva, alcançando os 80% conforme reportagem publicada pelo jornal DCI, é fundamental que os gestores sejam mais preventivos quando o assunto é o controle de gastos. Isso inclui não so…