No dia 20 de novembro o Banco do Brasil anunciou o fechamento de 402 agências no país, assim como a transformação em postos de atendimentos de outras 379.

A declaração gerou receio entre os funcionários do banco e desinformação, sendo importante a procura de um advogado para bancário para entender a situação.

Atualmente, as negociações entre o banco e os sindicatos que representam os bancários ainda estão em aberto, sendo que em 07 de fevereiro de 2017, será realizada nova audiência de mediação entre a Contraf-CUT; representantes do Banco do Brasil e o Ministério Público do Trabalho.

Nesta audiência, pretendem as partes chegarem a um consenso comum quanto às seguintes questões: extensão da VCP para os caixas; pagamento da VPC para todos os afetados pelo prazo de doze meses; a criação de uma comissão com Sindicatos para que seja acompanhado o processo de recolocação dos excedentes; incorporação da comissão para aqueles com dez anos ou mais de exercício da função comissionada.

Quais os direitos dos bancários de agências que estão passando por reestruturação

O fato é que com a nova reestruturação de cargos e salários, caso o empregado não adira ao plano de demissão voluntária, implicará em alteração contratual lesiva passiva de nulidade.

Como por exemplo, nos cargos de assistentes, posto que estes não migraram na lateralidade e o novo plano de funções elaborado pelo banco faz com que eles tenham perda no novo cargo oferecido, sendo uma questão que está sendo abordada especificamente durante as negociações.

Ainda que a mudança ainda não tenha se efetivado e as negociações não estejam encerradas, os bancários do Banco do Brasil que se sentirem prejudicados pela situação, seja pela realocação em uma agência distante, prejuízo no novo cargo, entre outras situações, devem procurar por um advogado para bancário que terá condições de instruir sobre a situação e, caso necessário, entrar com uma reclamação trabalhista contra o banco visando restaurar os direitos do trabalhador.

Como muitos profissionais ainda não sabem como, onde e se serão realocados no próximo ano, indica-se buscar a ajuda de um advogado especializado para esclarecer dúvidas que possam existir sobre o processo de reestruturação e sobre quais os direitos dos bancários são mantidos mesmo nessa condição.

O profissional irá instruir o cliente que pode aguardar até que a mudança já tenha ocorrido para avaliar a necessidade de uma ação trabalhista.

Ao procurar um profissional do direito é indicado que se busque por um advogado para bancário, com especialidade na área, pois ele terá mais domínio sobre a legislação referente ao setor e poderá esclarecer com mais segurança as dúvidas do bancário.

Posts relacionados

Analista de Sistemas e a Confiança Bancária
O analista de sistema quando inserido na condição de empregado bancário dentro de uma instituição financeira está submetido a jornada de oito horas. Corriqueiro é o questionamento entre os analistas de sistemas quanto ao direito a sétima e o…

Analista de Departamento Bancário – Cargo de Confiança?
Grande controvérsia reside entre os bancários quanto à existência de cargo de confiança e, por conseguinte, as sétima e oitava horas como extraordinárias, dentre os chamados “analistas” de departamento bancário, em todos os seus graus de …

Fim das 7ª e 8ª horas extras?
Entenda como ficarão as 7ª e 8ª horas extraordinárias com o advento da Convenção Coletiva de 2018 dos Sindicatos dos Bancários A Convenção Coletiva de Trabalho do Sindicato dos Bancários, aproveitando a toada da Reforma Trabalhista, trouxe …