advogado trabalhista explica comissãoO trabalho comissionado é previsto na CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) e é destinado principalmente para funcionários da área comercial, pelo cumprimento de metas ou pelo número de vendas.

O benefício pode ser pago em percentagem, unidade, valor fixo e outros. Mesmo sendo uma prática reconhecida pela CLT, muitas empresas omitem o valor da comissão do holerite e do registro para ter menos gastos com FGTS, INSS, 13º salário, Férias e Aviso Prévio, a conhecida comissão “por fora”.

Entretanto, essa omissão é ilegal e pode ser questionada judicialmente pelo trabalhador, pois pode prejudicá-lo na obtenção de diversos direitos como férias, fundo de garantia e 13º salário.

Nos casos de comissão por fora o colaborador recebe o salário e o valor extra, no entanto, esse adicional não é registrado.

Como a empresa não cede nenhum documento com o valor correto, o funcionário fica impedido, inclusive, de fazer um financiamento utilizando seu real orçamento.

Tipos de comissionista

A CLT considera dois tipos de comissionista:

  • Comissionista puro – é o funcionário que recebe comissão sobre as vendas, mas tem o direito de receber, pelo menos, um salário mínimo ou piso da categoria, caso o valor mensal da comissão seja inferior a esses valores.
  • Comissionista misto – aquele que tem direito de receber um salário mensal fixo acrescido de comissões sobre as vendas efetuadas.

Independentemente do tipo de comissão recebida, o funcionário tem o direito de ter esses valores registrados em holerite para que possa se beneficiar do trabalho realizado.

Recebo comissão por fora. E agora?

A comissão é uma prática muito comum para pessoas que trabalham como corretores de imóveis, seguradoras, setores comerciais de empresas, bancários e comércio em geral.

Em muitos desses segmentos existem companhias que, com a intenção de reduzir os gastos relacionados ao contrato de trabalho do funcionário, exigem que o colaborador aceite receber a comissão por fora.

Nessas situações é recomendável procurar um advogado trabalhista, para que o profissional analise as particularidades de cada caso.

Muitas das empresas que se negam a incluir as comissões no holerite e na Carteira de Trabalho, realizam o pagamento desse direito via conta bancária.

Nessas circunstâncias o próprio extrato bancário pode ser usado como uma prova contra a empresa em um processo judicial.

Nos casos onde a corporação insiste em pagar os valores em dinheiro, o advogado também poderá auxiliar a decidir qual a melhor forma de provar as irregularidades cometidas pelo contratante.

Quais direitos são perdidos?

Todos os benefícios recebidos pelo trabalhador são proporcionais ao salário mensal registrado na carteira de trabalho.

Quando o registro apresenta um valor inferior ao recebido realmente, como no caso da comissão por fora, o trabalhador será prejudicado em todos os demais benefícios. A irregularidade irá afetar os valores de:

  • FGTS;
  • Férias remuneradas;
  • 13º salário;
  • Seguro desemprego;
  • Hora extra;
  • Aviso Prévio.

O que fazer em caso de acordo?

Quando a comissão por fora é acordada entre o empregador e o funcionário (veja caso julgado pelo TST), os direitos previstos na CLT continuam em vigência, explica um advogado trabalhista.

A omissão dos valores pagos pela empresa é considerada em juízo como uma fraude trabalhista. O artigo 9 da CLT determina que o empregador não pode fazer acordos nos quais se beneficie, enquanto o colaborador é prejudicado. Veja:

“Art.9º – Serão nulos de pleno direito os atos praticados com o objetivo de desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos contidos na presente Consolidação”.

Dessa forma, mesmo que haja um acordo prévio entre as partes, o empregado comissionado tem o direito de pedir judicialmente que a empresa repasse os valores corretos, considerando as comissões e tenha o registro corrigido.

Posts relacionados

Entenda como funciona a reclamação trabalhista
Muitas pessoas buscam saber como funciona a reclamação trabalhista de olho em uma possível reparação após se sentirem lesadas, de alguma forma, por uma empresa com quem possuíam vínculo empregatício. Dentro da extensa área de direito trabal…

Direito trabalhista: Assessoria Jurídica Trabalhista em tempos de crise
Estar atento a todos os detalhes do direito trabalhista é um cuidado que deve estar sempre entre as prioridades de todas as empresas, de modo a evitar futuras dores de cabeça com passivos trabalhistas e outras dúvidas relacionadas às obrigações…

Verbas Rescisórias na Pandemia (COVID-19)
Diante do atual cenário nunca vivenciado pelos brasileiros, com a pandemia e, consequentemente, o estado de calamidade pública decretado pelo Governo Federal, muitos trabalhadores têm dúvidas quanto às verbas a serem pagas pelas empresas em cas…